Jordy Cobelens (TW Steel): “Sonhava em ter e fazer algo grande, e global…”

sugestao_01_1000px

Em apenas 5 anos, a TW Steel transformou-se numa marca global, registando uma notoriedade e um sucesso à escala planetária. Hoje, a TW Steel está presente em quarenta países (incluindo Portugal) e produz mais de 250 mil relógios por ano. Um caso de sucesso.

A verdadeira empresa começou em 2005, quando Jordy e o seu pai Ton, iniciaram o projecto que, dois anos depois, estava a dar os primeiros passos para um mega-sucesso.
Em apenas 5 anos, a TW Steel transformou-se numa marca global, registando uma notoriedade e um sucesso à escala planetária. Hoje, a TW Steel está presente em quarenta países (incluindo Portugal) e produz mais de 250 mil relógios por ano. Um caso de sucesso.
A verdadeira empresa começou em 2005, quando Jordy e o seu pai Ton, iniciaram o projecto que, dois anos depois, estava a dar os primeiros passos para um mega-sucesso.
Esta dupla de pai e filho, formou-se em 1980, quando Ton se tornou no distribuidor da Raymond Weil e Maurice la Croix para os países do Benelux; é também nessa altura que Ton começa a desenhar relógios de marca própria para as companhias aéreas KLM e Martinair.
“Eu tinha a visão de ter uma grande empresa global. Quando era mais pequeno tinha o sonho de criar algo novo, algo que o Mundo olhasse e dissesse UAU… Mas sabemos que começar um negócio não é fácil. O meu pai começou a desenhar os seus próprios relógios – tinha eu nessa altura 14/15 anos e, quando ele começou, eu interessei-me imediatamente e começamos a vendê-los logo, a amigos, família, etc. Com 17/18 anos já andava de fato e uma mala a visitar lojas a vender relógios, especialmente na Alemanha”, diz o co-fundador da TW Steel, Jordy Cobelens, de visita a Portugal.
“Depois passei para o mundo da indústria da música e fui DJ nessa altura. Comecei com a minha própria editora de música com 19 anos, uma área de negócio completamente diferente dos relógios, à qual ainda estou ligado, produzindo algumas coisas e tendo a minha própria loja na Holanda. Depois eu e o meu pai decidimos fazer algo juntos e voltamos ao negócio dos relógios. Ele viu que os relógios grandes estavam cada vez mais populares e decidiu desenhar algumas peças desse género, e começamos a vendê-los. Tínhamos 4 modelos, TW 1, 2, 3, e 4, e precisávamos de um nome. Tínhamos quatro relógios de aço e pensamos: The Watch in Steel, e assim nasceu a TW Steel, lançada em Amsterdão, e logo começamos por vender aos meus amigos Dj’s”, revela Jordy.
Os primeiros passos da marca, rapidamente permitiram perceber que o sucesso seria garantido: “Eu entretanto também conhecia algumas lojas, alguns distribuidores e começamos devagarinho e então evoluirmos para a distribuição internacional e encontrarmos parceiros que queriam distribuir os nossos produtos. Os relógios começaram a vender-se logo de seguida e começou a loucura. O mundo dos relógios é muito pequeno e mal se percebeu que a TW Steel vendia muito bem, rapidamente passamos de ter distribuição em três ou quatro países para passarmos a estar em mais de 40 mercados em cinco anos”, conta Jordy, sem esconder o orgulho do feito conseguido.
A estratégia de crescimento continuou: “Face aos resultados, decidimos envolver-nos no desporto automóvel, e patrocinamos o Campeonato A1 GP durante uma época; mas infelizmente a crise fez com que este campeonato desaparecesse e então mudamo-nos para a Fórmula Um, um mundo e um avanço impressionante para uma marca. Desde então concentramos toda a nossa atenção na distribuição e no desenvolvimento da marca. Abrimos os nossos próprios escritórios em Hong Kong, Tailândia, EUA, Austrália, e agora estamos a abrir as nossas próprias lojas, especialmente na Ásia, onde deveremos ter 15 em 2013.”
Recorda com um sorriso o início de todo o processo: “Começamos com muito pouco dinheiro, quase não investimos em marketing, apenas o fizemos em produto e uma simples brochura. Nem fotografias havia. Era apenas uma brochura, feita num computador, uma equipa muito pequena, ou seja o nosso investimento foi mesmo na produção dos relógios. Hoje temos uma equipa de 120 pessoas, incluindo os mais recentes empregados que trabalham nas boutiques.”
Jordy Cobelens revê assim a estratégia de uma empresa que ajudou a construir, realizando uma marca que produz anualmente mais de 250 mil relógios, vendidos no Mundo com um preço médio de que ronda os 500 euros: o valor do sucesso?

Partilhe este artigo

publicidade