Huy Van Tran (Pequignet): “Gosto de agitar a tradição…”

Huy Van Tran, Pequignet

Huy Van Tran, é o jovem relojoeiro responsável pelo desenvolvimento do Calibre Royal. Foi pore le que passou todo o processo de desenvolvimento de um movimento que inovou e que deu o estatuto de « manufactura » à Pequignet. De ascendência vietnamita, Van Tran é um nome a ter em conta no firmamento relojoeiro, seja ele com o selo « made in France », ou o mais reputado « swiss made ». Vejamos o que nos revela sobre o seu Calibre Royal :

CHRONOS do tempo – Pode fazer um pequeno resumo da sua experiência/percurso como mestre relojoeiro?

Huy Van Tran – A minha experiência no campo da data de relojoaria , não é muito longa. Na verdade, eu saí da escola de engenharia e microtecnologia, em Le Locle (Suíça), bastante tarde ; de facto naquela época e como resultado da experiência, eu quase não gostei da escola.

Durante os meus estudos , tive cursos práticos de relojoaria (montagem, desmontagem e ajustes/acertos em movimentos de quartzo e movimentos mecânicos, incluindo balanceamento e as mais variadas tarefas de revisão concepção de um relógio, sem esquecer a espiral), bem como cursos sobre o cálculo de engrenagens, o cálculo de energia, análises funcionais de sistemas mecânicos existentes, etc .

Finalmente, eu deixei de lado o relógio e a relojoaria para voltar mais tarde com o estudo do módulo de relógio, depois da minha especialização em óptica e microsistemas.

Por uma feliz combinação de circunstâncias, durante as minhas inúmeras buscas de trabalho, um amigo com quem tive aulas, encontrou-me um pedido de emprego em um jornal local para um designer de um movimento de relógio. Consegui o emprego numa nova empresa, a CompliTime para passar mais tarde para a responsabilidade do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Greubel Forsey. Tenho de agradecer a Robert e ao Stephen por terem confiado em mim e me terem contratado, acabado de sair da escola. Esta oportunidade permitiu-me aprofundar os meus conhecimentos e adquirir as melhores bases de alta relojoaria, bem como todos os tipos de acabamentos, decorações baseadas na tradição, no «saber fazer», desenvolvimento, etc. Lá aprendi muito, e foi lá que a paixão pela relojoaria nasceu em mim.

Cdt – Que projecto relojoeiro mais o influenciou na sua carreira (no passado) como mestre relojoeiro? Que marcas/projectos o inspiram para o seu trabalho no presente?

Huy Van Tran – O que mais me influenciou na indústria relojoeira, foi obviamente a minha experiência passada em Greubel Forsey. No entanto, todas as marcas de relógios me inspiram, com tudo o que fazem e apresentam de novo, assim como muitas outras empresas altamente inovadoras.

Cdt – Como nasceu a ideia do Calibre Royal?

Huy Van Tran – Essa ideia nasceu de uma colaboração com Ludovic Perrez, relojoeiro prototipista que trabalhou comigo no início de todo o projecto. É o resultado de tudo o que aprendemos com nossas experiências passadas. Mantivemos o melhor de nossas experiências para dar a luz a este conceito, o o Calibre Royal.

Cdt – O conceito do Calibre Royal como se desenvolveu, era uma ideia antiga?

Huy Van Tran – Não é de todo uma ideia antiga, foi-se desenvolvendo gradualmente e surgiu após discussões/conversas com Didier Leibundgut. Em seguida, o projeto foi-se realizando à medida que ia progredindo. Nós inicialmente tinhamos uma folha branca e as ideias foram surgindo até que o conceito amadurece.

Cdt – Quanto tempo levou ao desenvolvimento de todo o projecto?

Huy Van Tran – Eu realmente não sei por quanto tempo demorou para desenvolver o projeto como um todo. Na verdade, ele teve, para além do desenvolvimento do movimento segundo os padrões estabelecidos, houve que encontrar e instalar o software 3D e todo o gabinete de design e em paralelo, tratar de todas as patentes que resultaram deste projecto. Ou seja, eu não sei dizer quanto tempo levamos para a implementação/concretização do projeto como um todo.

A título meramente informativo, começamos a trabalhar no projeto em Maio de 2008. Na feira de Baselworld, em 2009, apresentamos um protótipo de trabalho que incluiu: ajuste da hora, corda manual, com indicações horas/minutos/segundos, e balanço e roda de escape. No ano seguinte, introduzimos o conceito da carga automática de corda, reserva de marcha, e da primeira versão da grande data. Em Basel 2011, tivemos a versão final da grande data.

Cdt – Que evoluções pode ter o Calibre Royal? Que inovações apresenta o Calibre Royal?

Huy Van Tran – O Calibre Royal pode vir a ter mais tudo o que mais amamos na base de relojoaria e pode ser construído seguindo algumas «fantasias». Tentamos desenvolver:

– A distribuição de energia, principalmente no cilindro de corda, porque, uma vez que somos uma empresa pequena, não podemos investir, por exemplo, no silício, na roda de escape, na âncora ou na espiral espiral.

– A grande data, tentando promover a simplicidade para o consumidor, sem criar probelmas ao utilizador.

– A carga automática.

– E uma forte industrialização de todo o processo de construção do calibre de forma a ser fácil de instalar e fácil de operar para o serviço após-venda).

Cdt – Quantas patentes resultaram da concepção do Calibre Royal?

Huy Van Tran – Oito patentes estão actualmente e a aguardar o registo final e a maioria está registada. Elas são:

1. O cilindro (de armazenamento para uma grande reserva de energia e a sua distribuição de energia)

2. O sistema de carga automática (sistema que garante que carregue nos dois sentidos)

3. Diferencial (órgão que faz parte da indicação da reserva de marcha)

4. Sistema grande data (salto instantâneo)

5. Sistema grande data (sistema de encaixe dos discos)

6. Sistema grande data (sistema de indexação dos discos nas janelas)

7. Sistema grande data (sistema de indexação dos discos da data através da tige ou coroa de carregamento de corda)

8. O mecanismo para exibir as fases da Lua com precisão.

Uma nona patente está em preparação para um registo preliminar.

Cdt – Que novo projecto podemos esperar da Pequignet a prazo?

Huy Van Tran – Novos projetos serão desenvolvidos de acordo com os desejos e a estratégia da actual direcção da empresa. O primeiro a chegar será o GMT.

Cdt – Está prevista uma versão Chrono do Calibre Royal?

Huy Van Tran – Com efeito, é possível desenvolver uma versão cronógrafo para o Calibre Royal, mas esta complicação, dependenderá da estratégia da actual direcção da empresa.

Cdt – O seu sonho como mestre relojoeiro seria produzir/conceber o quê?

Huy Van Tran – De facto, há muitos projetos fervilhando na minha mente, mas infelizmente eu não posso revelar mais, ou quais.

Cdt – Como gostaria de ser recordado  na indústria relojoeira? 

Huy Van Tran – O mais importante para mim, é que eu amo o que faço, e não espero reconhecimento, em particular. As pessoas que trabalham no mesmo meio que julguem o meu trabalho. Eu não tenho experiência suficiente para sentir/saber se vou marcar as pessoas, quer em relação às inovações que podem incluir, ou já incluem, o Calibre Royal, e projetos que estão por fazer ou para nascer, mas eu gosto de agitar a tradição …