Kelly Rowland: “Eu amo o tempo todo!”

Kelly Rowland

É apaixonada pelo trabalho e pela vida, tem um sorriso estonteante e umas pernas esculturais. Com um TWSteel no pulso, canta e encanta e, do alto dos seus 1,73m, é impossível não ser notada. Kelly Rowland é (ou foi) uma menina “Destiny’s CHild”, ou melhor “destinada” ao sucesso…

A sua personalidade é tão apaixonante quanto monótona; lema de vida: “trabalho…trabalho…trabalho” e pouco mais. Está empenhada em vencer. É uma lutadora e como tal, para calar muitas bocas detractoras da sua qualidade vocal, vai cantar muito e bem, como quem diz, “até que a voz lhe doa”…

Kelly Rowland é de uma vivacidade contagiante. Conhecida mundialmente como um dos membros fundadores das “Destiny’s Child”, juntamente com Beyoncé e LaTravia Johnson, Kelly Rowland já vendeu mais de 60 milhões de discos em todo o Mundo. Já é multi-milionária.

Kelendria (Kelly) Trene Rowland, nasceu a 11 de Fevereiro de 1981 em Atlanta, na Georgia. É já com sete anos que, na sequência do divórcio dos seus pais, Kelly e a mãe se mudam para Houston, no Texas, mudança que irá mudar a vida da jovem Kelly para sempre. É aqui que conhece as outras fundadoras do grupo Destiny’s Child, grupo que a irá catapultar para a fama.

Há quem afirme que Rowland era uma mera cantora de apoio a Beyoncé, mas em 2002, após ter saído oficialmente do grupo, Kelly provou aos mais críticos exactamente o contrário, com o single “Dilemma”, um dueto com o rapper Nelly, que atinge o “número 1” dos “charts de vendas” e ganha dois Grammy’s. Acabou-se o “dilema” da qualidade de voz de Kelly… Nesse mesmo ano, Rowland lança o seu álbum de estreia, “Simply Deep” e reafirma o sucesso anterior com o número 12 na “Billboard” norte americana. Um “deep” sucesso…

Desde aí, não parou e lançou mais três álbuns, sendo o “Talk a Good Game” o mais emblemático, e a música “Dirty Laundry”, a que espelha todo o ambiente do álbum, muito emocional, e provavelmente o mais pessoal de Kelly Rowland.

 Mas o sucesso no mundo da música não lhe basta. Paralelamente, tem feito várias incursões pelo cinema e séries de televisão, cimentando aos poucos a sua carreira de actriz. Chega de trabalho? Ainda não. Mesmo milionária, Rowland tem colaborado em bandas sonoras de projectos cinematográficos como “O sorriso da Mona Lisa”, ou “Encontro em Manhattan”.

 

Agora sim, tempo de férias e de gozar algum do dinheiro ganho… Ainda não. Nos últimos três anos, Kelly Rowland tem sido júri do concurso “The X Factor”, tanto na edição inglesa como na americana, tendo sido convidada pelo produtor da série, o “infame” Simon Cowell. Milhas de avião “frequente flyer”, não lhe faltam, falta-lhe é tempo para as gozar.

Apaixonada por relógios. Kelly tem uma interpretação e vivência do tempo muito particular, descrita pela própria numa entrevista à CHRONOS do tempo, que aqui partilhamos:

 

CHRONOS do tempo – Sendo compositora e cantora, o tempo é importante quando escreve uma música? Considera toda a música intemporal?

Kelly Rowland – No processo criativo de escrever uma canção, a própria canção diz-te quanto tempo “precisa”. O processo criativo em si pode levar minutos, horas, ou até meses. O processo varia com o tempo. E sim, existe um tempo e um espaço para a música “viver”, o que a torna intemporal para as gerações vindouras.

 

Cdt – Se tivesse que escrever uma música sobre o tempo, o que seria? Uma balada, rock & Roll, Soul, Jazz….?

KR – Dependeria do ambiente no estúdio e de como me estaria a sentir nesse momento em particular. Se neste momento tivesse que escrever uma canção sobre o tempo, provavelmente seria um “up tempo” (música com um ritmo acelerado).

 

Cdt – Durante um concerto, qual é o seu melhor minuto? E o pior/difícil?

KR – O melhor minuto é aquele em que estabeleço uma ligação com o público e cantamos as minhas canções juntos. Não há momento pior nem mais difícil.

 

Cdt – E na sua vida? Quais são o melhor e pior momento, que não consegue esquecer?

KR – O melhor momento, que não posso esquecer, é o momento em que cantei pela primeira vez num palco. O pior momento é sempre aquele em que perdemos alguém que amamos.

 

Cdt – Qual é a sua relação com os relógios? Olha para o relógio durante um concerto?

KR – Adoro relógios, mas não olho para o relógio durante um concerto. Perdes a noção do tempo quando estás em palco. Quando estás a dar um grande concerto e estabeleces aquela conecção com o público, e o concerto acaba, desejas sempre ter mais tempo!

 

Cdt – Como define “tempo para trabalhar” e “tempo para a família”, como administra ambos sendo uma artista com uma carreira internacional?

KR – O tempo em família é precioso e enche-te de amor. O tempo a trabalhar é de concentração , muito intenso, e também me enche, de paixão. Arranjas tempo para o que é importante para ti.

 

Cdt – Um tempo de lazer (lugar)…

KR – Tempo de lazer para mim é não ter que pensar, apenas ser. Por exemplo uma praia.

 

Cdt – Um tempo de alegria (emoção)…

KR – Para mim tempo de alegria é quando estou em estúdio a criar e tudo o mais que possa fazer.

 

Cdt – Um tempo de viajar (local)…

KR – Tempo de viajar para mim quer dizer que ando sempre de um lado para o outro!

 

Cdt – Um tempo para amar…

Eu amo o tempo todo!

 

 

RAIO-X

Nome: Kelendria Trene Rowland

Data de nascimento: 11 de Fevereiro de 1981

Naturalidade: Atlanta, Georgia, Estados Unidos

Altura: 1,73 m.

Cor do cabelo: Castanho

Cor dos olhos: Castanhos

Profissão: Cantora, compositora e actriz

Site: www.kellyrowland.com

Partilhe este artigo

publicidade