Um tributo a Felix Baumgartner

Zenith Academy Christophe Colomb Felix Baumgartner

Mantendo desde sempre uma relação especial com o desafio, a marca da estrela sempre foi companheira da aventura humana sob a sua forma mais audaciosa e mais criativa. Aprecie este novo Academy Christophe Colomb, que presta homenagem a um dos maiores exploradores da natureza humana deste início do século XXI, campeão da superação de si mesmo. Paraquedista e “base jumper” experiente, realizou em 2012 três proezas em simultâneo, ao saltar de uma cápsula estratosférica.

Uma personalidade que faz eco da audácia criativa e do espírito de empreendedorismo da Zenith, através de uma das maiores descobertas relojoeiras dos últimos anos com o qual este modelo está equipado: o módulo Gravity control. Apresentado numa edição limitada de dez exemplares em platina com revestimento DLC, o modelo é ornamentado com sumptuosas decorações que evocam a proeza do desportista austríaco.

Georges Favre-Jacot teria sem dúvida apreciado Felix Baumgartner, já que ambos partilham, com um século e meio de intervalo, a mesma filosofia da audácia e do desafio. Mas um desafio calculado ao extremo e com um longo período de preparação. O género de desafios portadores de valores para as gerações futuras. Por exemplo, que o único limite é aquele que nós próprios fixamos. Assim, este antigo paraquedista do exército austríaco é o homem de todos os recordes do Mundo, entre os quais o do salto em paraquedas mais alto, das Torres Petronas, em Kuala Lumpur (1999), e o do salto radical mais baixo, da mão do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro (1999).

Atravessou a Mancha em queda livre com uma asa em fibra de carbono (2003), realizou uma “base jump” do viaduto de Millau (2004) e saltou do 91.º andar da Taipei 101, em Taiwan (2007). Mas a proeza mais espectacular de Felix Baumgartner teve por companheira a Zenith, no dia 14 de Outubro de 2012, exactamente 65 anos depois da primeira ultrapassagem da velocidade do som por Chuck Yeager. E não foi um, mas três recordes de queda livre que bateu naquele dia. O primeiro refere-se à altura: com efeito, lançou-se de uma cápsula erguida por um balão estratosférico insuflado com hélio até à sua altitude de queda, 38 969,4 m. O segundo foi o da velocidade: durante a sua queda, ultrapassou a velocidade do som, a 1 357,6 km/h, ou seja, Mach 1,25. O terceiro, por fim, é relativo à duração do seu salto: 4 minutos e 20 segundos. Este atleta radical que, apesar de tudo, não é um adepto imprudente da adrenalina, fez da excelência a sua regra de vida e aspira ao sucesso em tudo o que se dispõe a fazer. O Academy Christophe Colomb Tribute to Felix Baumgartner não poderia estar mais em sintonia com esta filosofia.

Como todos os modelos da gama, o Academy Christophe Colomb Tribute to Felix Baumgartner distingue-se ao primeiro olhar do resto da coleção Zenith. Efectivamente o seu mostrador ilustra a proeza de Felix Baumgartner e o ambiente excepcional em que a realizou, por meio de decorações e de materiais inéditos. Os mestres artesãos da Zenith conseguiram de facto reproduzir fielmente a célebre fotografia de Felix Baumgartner preparando-se para saltar da cápsula quando esta chegou à sua altura máxima. Revestindo o mostrador da reserva de marcha às 3 horas, o personagem em fato espacial é cinzelado e gravado sobre uma placa em ouro de 18 quilates polida à mão e depois fixada ao mostrador com dois parafusos, um por cima do capacete e outro por baixo do pé esquerdo.

Às 12 horas, o mostrador das horas e dos minutos encerra um detalhe subtil: um ligeiro traço, desenhado entre o número 12 e o primeiro índice, e que constitui uma discreta evocação da duração do salto (4 minutos e 20 segundos). Como todos os modelos da linha, a platina é brocada para se adaptar à forma do módulo giroscópico de Gravity Control às 6 horas e assim destacá-lo. O que impressiona igualmente na face do relógio é o fundo do mostrador: ocupando a maior parte, a Terra em azul-turquesa e, na parte superior, a via láctea, vista a partir da estratosfera, em aventurina. Muito pouco utilizada na alta relojoaria, esta última nasceu no século XVI, no atelier de um mestre vidreiro veneziano. Enquanto trabalhava na sua última criação, deixou cair pó de metal na sua massa em fusão, criando sem querer um vidro com efeito de lantejoulas. Que matéria mais bela para representar naturalmente o céu estrelado?

No fundo da caixa, a ponte da reserva de marcha, em ouro de 18 quilates, ilustra a incrível queda livre do “base jumper” austríaco. Todos os motivos são efectivamente gravados à mão a talhe-doce. Às 12 horas, a sua silhueta estilizada, às 9 horas, a sua cápsula, e, às 3 horas, a Terra dominando o módulo giroscópico de Gravity Control. A toda a volta, menções gravadas indicam os três recordes do campeão: “The highest 38,969.4 m = 127,852.4 feet / The fastest 1,357.6 km/h = 843.6 mph / The longest 4min 20s Freefall”, o número de rubis cujo movimento é dotado de “Forty-Five (45) Jewels”, bem como “Zenith Manufacture Le Locle”. Pequeno detalhe subtil, seis rubis estão dispostos sobre a cápsula e o fato, um das quais no local exato do relógio Zenith que Felix Baumgartner usava no momento do salto.

Este novo relógio, que ostenta o nome do último grande descobridor do século XV e do primeiro homem supersónico do século XXI, abriga também um movimento que coloca duas proezas relojoeiras ao serviço de uma precisão sem falhas: um órgão regulador de alta frequência de oscilação (36 000 vibrações por hora) que permite sequenciar o tempo em décimas de segundo e uma pequena maravilha da micromecânica, um módulo giroscópico patenteado de controlo da gravidade (gravity control) que neutraliza os efeitos da gravidade terrestre na marcha do relógio.

Concebido pelos mestres artesãos da Zenith, este sistema é inspirado por instrumentos de precisão que a manufactura produzia antigamente: os cronómetros da marinha. A suspensão de cardã com que eram equipados permitia-lhes manterem-se na posição horizontal, independentemente do balanço dos navios. O módulo de Gravity Control retoma o mesmo princípio miniaturizando-o: permite que o escape se mantenha em permanência na posição horizontal, qualquer que seja a inclinação do pulso. Resultado: o balanceiro beneficia da melhor amplitude possível e a influência da gravidade terrestre sobre o bom funcionamento do movimento é neutralizada, garantindo assim a máxima precisão. A audácia da manufactura, que exigiu cinco anos de desenvolvimento, não poderia prestar melhor homenagem à de Felix Baumgartner e à sua inacreditável proeza. Actualmente, a Zenith é a única marca que domina este sistema, distinguido com o Grande Prémio de Relojoaria de Genebra em 2011 na categoria de relógios com complicações.

Este movimento de extrema precisão encontra-se numa caixa de platina de 45 mm com revestimento DLC (Diamond-Like Carbon), que confere ao material a sua cor preto mate e propriedades como a dureza e a resistência aos riscos. Disponível numa edição limitada de 10 exemplares, o relógio é apresentado num estojo de ébano revestido de carbono, que pode, se necessário, transformar-se em humidificador. Contém ainda uma placa em inox serigrafada e assinada por Felix Baumgartner.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

MOVIMENTO

El Primero 8804 de corda manual

Calibre: 16½ ‘’’ (diâmetro: 37 mm)

Espessura: 5,85 mm

Componentes: 308

Gaiola do Giroscópio: 171 componentes

Rubis: 45

Frequência: 36 000 VPH (5 Hz)

Reserva de marcha: mínimo de 50 horas

 

FUNÇÕES

Horas e minutos num mostrador descentralizado às 12 horas

Módulo “Gravity Control” autorregulador às 6 horas

Ponteiro pequeno dos segundos às 9 horas

Reserva de marcha às 3 horas

 

CAIXA, MOSTRADOR E PONTEIROS

Material: caixa em platina com revestimento DLC

Diâmetro: 45 mm

Espessura: 14,35 mm/21,40 mm (com vidro de safira abaulado)

Vidro: vidro de safira abaulado e tratamento anti-reflexo em ambas as faces, cúpulas de protecção do módulo giroscópico

Mostrador: representação do salto de Felix Baumgartner

 – Estratosfera em aventurina

 – Terra em azul-turquesa

 – Felix Baumgartner saindo da cápsula: ouro cinzelado e gravado à mão

Ponteiros: revestidos a ródio e facetados

Índices das horas: lacados a branco

Fundo: ponte da reserva de marcha ornamentada com motivos e menções gravadas à mão a talhe-doce

Estanqueidade: 3 ATM

 

REFERÊNCIA

39.2210.8804/58.C714 

Pele de aligátor preta com forro de borracha e fecho extensível de 3 lâminas em ouro branco com revestimento DLC

Partilhe este artigo

publicidade