Juan Carlos Torres: “Um relógio tradicional é um objecto emocional”

Juan Carlos Torres, CEO da Vacheron Constantin

Juan Carlos Torres está na Vacheron Constantin desde 1981 e, desde 2005 (coincidindo com os 250 anos da marca) é o presidente da marca. Em 2015 fará dez anos à frente desta prestigiada fabricante de relógios suíços. Por ele tem passado uma “mudança tranquila” e a renovação necessária a uma marca com os pergaminhos daquela a que preside. O futuro conta com ele.    

Nasceu em Barcelona em 1956, filho de pai catalão e mãe cubana, é pai de dois filhos e praticamente viveu toda a sua vida na Suíça. Foi la que, com apenas 19 anos, começou a trabalhar na Camy Watch como contabilista. Em 1981, mudava-se para a Vacheron Constantin, “casa” onde virá a ser nomeado Director Financeiro, em 1988. É por ele que passa a inegração da marca no Grupo Richmont, oito anos depois.

Em 2000, Juan-Carlos Torres é nomeado COO (Administrador Operacional) e, cinco anos mais tarde assume a presidência (CEO) da Vacheron Constantin. Adora os desportos de montanha e é um fã dos automóveis, “brinquedos” que já o levaram a participar em alguns ralis. Entusiasmo não lhe falta, 33 anos depois de assumir os “códigos” da Vacheron Constantin como “coisa” sua. Vejamos como vê o presente e pensa o futuro:

CHRONOS do tempo – Qual é a sua definição de Alta Relojoaria?

Juan Carlos Torres – A Alta Relojoaria, para mim, é o equilíbrio perfeito entre o domínio técnico, a elegância do design e um elevado nível de acabamentos. A Alta Relojoaria também é reforçada por valores fortes, tais como a herança ou tradição e a maestria humana.

Cdt – Como uma parceira da FHH (Fondation de Haute Horlogerie), o que pensa sobre as prioridades da Fundação?

Juan Carlos Torres – A Alta Relojoaria afirma a sua legitimidade através da experiência saber adquirido e da inovação, portanto, a FHH bem como a Vacheron Constantin, através das suas actividades, devem fomentar e promover os valores da Alta Relojoaria, da criatividade, cultura e tradição. A FHH fixou-se em três objectivos principais: 1. Informar e despertar o interesse sobre a Alta Relojoaria; 2. Treinar e formar melhores profissionais; 3. Afirmar o seu papel como um “think tank” para a indústria da Alta Relojoaria.

Desde a sua criação, em 2005, a FHH desenvolveu novas ferramentas e actividades, e estendeu a sua rede de parceiros, delegações e embaixadores por todo o Mundo. Hoje, a FHH é uma força unificadora para a Alta Relojoaria, os seus profissionais e aficcionados.

Cdt – O que pode ser feito para despertar o interesse das gerações mais jovens na Alta Relojoaria?

Juan Carlos Torres – Para alguns clientes jovens, um relógio “Haute Horlogerie” está ligado aos seus pais ou avós, usando um relógio; eles estão cientes de que, de uma geração para outra, um relógio torna-se testemunho de uma vida. É muito mais do que apenas um objecto, ela – a Alta Relojoaria – está ligada à emoção. E, para alguns outros, é uma compra fundamentada, eles conhecem o valor desses objetos e o lado humano por detrás de cada peça. De uma forma geral, nós temos como alvo quem aprecia a Alta Relojoaria e é sensível tanto à excelência técnica como à estética, independentemente da sua idade ou sexo.

É por isso que nós realmente gostamos de partilhar os nossos fundamentos sobre a Alta Relojoaria com as gerações mais jovens: ou seja, domínio da técnica, estética harmoniosa e inspiradora, e um nível extremamente alto de habilidade e execução.

Cdt – Qual é o estado actual da sua rede de distribuição?

Juan Carlos Torres – Olhando para o crescimento da Vacheron Constantin, em 2005, tínhamos apenas 2 Boutiques. 10 anos depois, temos mais de 45 nas principais cidades, como Genebra, Paris, Londres, Nova York, Moscovo e Tóquio, apenas para citar alguns. Nós estamos convictos que a maioria da nossa rede de distribuição é e será feita através de parceiros de longo prazo.

Cdt – As últimas mudanças no mercado asiático provocará uma mudança na sua estratégia futura no desenvolvimento de novos produtos?

Juan Carlos Torres – Primeiro, a Vacheron Constantin cria relógios respeitando seus valores e não os desenvolve especialmente para um mercado. Portanto, todos os nossos produtos têm o nosso DNA! Nós podemos propor modelos especiais para as nossas Boutiques, mas podemos dizer que um relógio Vacheron Constantin é, por natureza, um produto específico, uma vez que requer alto nível de entendimento da exigência dos seus clientes. Portanto, a nossa clientela não se resume à Ásia.

Cdt – Qual o produto lançados nos últimos dois a três anos superou suas as expectativas em termos de sucesso comercial?

Juan Carlos Torres – Em 2004, quando se via a tendência por em relógios grandes, a Vacheron Constantin lançou o modelo Patrimony, um relógio discreto, elegante e clássico, e que se tornou ao longo dos anos um ícone. Graças aos nossos clientes: a Vacheron Constantin criou uma tendência!

Cdt – Você acha que ainda é possível lançar uma nova marca nos dias de hoje?

Juan Carlos Torres – É sempre possível lançar uma nova marca a partir do momento em que se baseia em valores fortes, o que irá tornar-se, ano após ano, as raízes da marca e da sua identidade. A Vacheron Constantin respeita os mesmos valores há quase 260 anos! : Procurando constantemente a excelência; Criatividade permanente; ser uma Empresa responsável e aberta para o Mundo; Respeitar e transmitir as tradições; e o Compartilhar a nossa paixão.

Cdt – Diga-me qual o seu “ponto de vista” sobre o novo “produto-tendência” – os smartwatches …

Juan Carlos Torres – Se eu tivesse que comparar um relógio tradicional de um relógio digital, em primeiro lugar, gostaria de dizer que um relógio tradicional é um objecto emocional e está lá para ajudar a gerir o seu tempo. Por outro lado, todos estes novos desenvolvimentos, no mundo digital, despertam a curiosidade, mas, ao mesmo tempo, assumem o controle do seu tempo. Ambos tomam espaço em nossa vida.

Cdt – O que vamos ver nas boutiques Vacheron Constantin na próxima década?

Juan Carlos Torres – Em primeiro lugar, a Vacheron Constantin vai celebrar, em 2015, o seu 260º aniversário. Portanto, tal como os fundadores do próprio espírito da Alta Relojoaria, com toda a sua preciosidade e técnica, os homens e as mulheres da Vacheron Constantin vão continuar a projectar, desenvolver e produzir relógios excepcionais, mantendo-se segundo os três fundamentos da marca: domínio perfeito da técnica, estética harmoniosa e inspiradora, e um nível extremamente elevado de acabamentos. O nosso dever, é continuar a lutar pela excelência, e estamos ansiosos para comemorar nosso aniversário com alguns novos relógios especiais em 2015. Em segundo lugar, também vamos continuar a expandir a nossa oferta em toda a gama, desde o relógio mais simples ao mais complicado.