Svetlana Zahkarova, o “cisne” da Audemars Piguet

Svetlana Zahkarova

Tinha apenas 22 anos quando impressionou Mikhail Baryshnikov, nos ensaios de Pas de Deux (de Tchaikovsky), coreografia de Balanchine. Consequência: um convite para actuar no Paris Opera Ballet, actuando no La Bayadère de Nureyev. De então para cá, os melhores e mais reputados palcos do Mundo renderam-se às suas “pontas”…

Impressiona como uma jovem bailarina, desde cedo deu que falar no mundo da dança clássica: "Tudo é beleza e poesia na sua dança," escreveu René Sirvin, um dos maiores críticos da especialidade. Usa jóias e relógios com a chancela da Audemars Piguet; foi até há dois meses atrás uma das embaixadoras da marca e é venerada por onde passa. Aos 34 anos de idade, Svetlana Zakharova é um fenómeno, e primeira bailarina do Bolshoi de Moscovo e do Scala de Milão. Mas o sucesso de Zahkarova foi “pensado” desde muito cedo.

Nascida em Lutsk, uma pequena cidade ucraniana com pouco mais de 200 mil habitantes, Zahkarova, aos seis anos de idade, começou a ter aulas de dança de folclore numa pequena escola local: Quatro anos depois, passava nos testes de admissão do Kiev Choreographic School, experiência de pouca duração, já que foi forçada a abandonar esta prestigiada escolha, mercê do destacamento do seu pai (militar) para a antiga República Democrática Alemã.

 

Leia tudo na edição da CHRONOS do tempo Nº 25, nas bancas.

 

Partilhe este artigo

publicidade