A inspiração oriental da Hermès

Hermès Arceau Cheval d’Orient

O cavalo é a grande fonte de inspiração da Hermès desde a sua fundação. Desta vez, a marca “cavalga” com os novos Arceau Cheval d’Orient, relógios onde a arte de trabalhar a laca, se revela em três composições de relojoaria.

Para dar vida às cenas equestres de um Oriente de sonho, reveladas no mostrador destes novos relógios, foi necessária toda a paciência e cuidado, além da experiência dos melhores especialistas na arte de trabalhar e produzir a laca, num enorme desafio de miniaturização.

Neste projecto de realização dos novos Arceau Cheval d’Orient, a laca francesa foi usada sobre uma base de metal, em vez da tradicional madeira ou bambu, exigindo a utilização das mais refinadas técnicas tradicionais de realização.

Com um pincel de ponta fina, o artesão aplica as primeiras camadas de verniz – pigmentos misturados com um verniz – provocando um período de secagem de três dias entre cada camada, antes de prosseguir e adicionar a camada seguinte. Este trabalho tem mesmo de ser realizado em etapas, uma vez que o especialista tem de repetir este processo alternadamente, com gestos cuidadosos e durante muitas semanas, somando 30 ou mais demãos até atingir a cor uma base (preto profundo) na perfeição.

Realizada esta etapa, o artesão vira artista. Depois de delinear com um lápis o contorno do desenho no mostrador perfeitamente envernizado, é tempo para a preparação da paleta de cores. O pincel tem de ser habilmente manejado para produzir as cores desejadas e, aplicá-las uma a uma em camadas sucessivas até que todo o padrão/desenho seja reproduzido.

Este processo não se consegue realizar sem que passem 10 dias de secagem para sobrepor mais 20 camadas de verniz transparente, que também requerem uma longa secagem. Um polimento final, revela a extrema beleza do trabalho final, dando lugar ao mostrador do relógio agora apresentado.

Cada um desses mostradores é, então, montado num relógio da gama Arceau, em ouro branco, “alimentado” por um calibre Hermès H1837. Estes cavalos soberbos e graciosos “vestidos” com os seus tapetes persas, dão nome e encantam a mais recente opção chegada ao mercado baptizada: Arceau Cheval d’Orient.

Partilhe este artigo

publicidade